Bom dia com poesia

Bom dia!!! Tudo bem com vocês? Domingo, dia de aproveitar o dia em família.

A partir de hoje, postarei as poesias ou reflexões e contarei um pouco mais da história dos autores. Começarei por um autor Que gosto muito, Pablo Neruda, com o texto Sê.
 



Se não puderes ser um pinheiro, no topo de uma colina,
Sê um arbusto no vale mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...
Mas sê o melhor no que quer que sejas.


Neftali Ricardo Reyes, mais conhecido pelo pseudônimo de Pablo Neruda, nasceu em Parral, a 12 de julho de 1904, e morreu em Santiago, a 23 de setembro de 1973. Filho de um ferroviário, estudou francês durante dois anos no Instituto Pedagógico da Universidade do Chile, participando ativamente da vida política estudantil.

Nomeado cônsul-geral do Chile em Rangún, na Birmânia, em 1927, Neruda continuaria sua carreira diplomática em Djacarta, Madrid (durante o período da Guerra Civil Espanhola) e México, onde foi embaixador de 1940 a 1942. Eleito senador em 1945, permaneceu exilado em Paris de 1948 a 1952. Em 1971, foi mais uma vez nomeado embaixador do Chile, agora em Paris, e recebeu o Prêmio Nobel de literatura.

Lirismo e política
Um dos maiores poetas chilenos e da literatura contemporânea, a obra de Neruda tem fases distintas. Ele pode ser o poeta lírico e angustiado de Vinte poemas de amor e uma canção desesperada (1924) ou pode elaborar versos de cunho político e, em alguns momentos, com características épicas, como em Canto geral (1950).
No livro Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Neruda canta o amor, a ausência da mulher amada, e cultua uma tristeza que chega ao desespero. Os versos são, muitas vezes, herméticos, e as comparações extravagantes guardam poucos pontos de contato com a realidade.
Em Tentativa do homem infinito, de 1925, uma densa atmosfera de angústia dá vida ao caos verbal: a sintaxe e a ortografia são absolutamente livres - e as imagens, em certos trechos, incompreensíveis. Mais tarde, na obra Residência na terra, a angústia assume proporções trágicas, e Neruda fala sobre a morte, a ruína, a desintegração do mundo.
A visão dos horrores da Guerra Civil Espanhola fará com que a preocupação social, acompanhada do engajamento político-partidário, influencie sua poesia. Assim, no livro Espanha no coração o poeta colocará seu talento a serviço do comunismo, e sua missão será conseguir adeptos, denunciar, converter.

Canto em defesa da América Latina
Neruda será, portanto, cada vez menos lírico e cada vez mais épico. Os versos se transformam, perdem todo o hermetismo e tornam-se simples, pois o poeta deseja ser lido pelos operários. O ponto culminante dessa nova poética pode ser encontrado em Canto geral.
Tendo abandonado a carreira diplomática, o poeta candidata-se ao Senado chileno pelo Partido Comunista, que faz parte de uma ampla coalizão para apoiar José Antonio Ríos Morales à presidência. Neruda é eleito senador em 1945. Mas, em 1946, Ríos Morales, que havia sido eleito presidente, vem a falecer. Gabriel González Videla passa a ocupar a presidência e instaura a censura na imprensa, dando início a uma onda de repressão contra sindicatos e trabalhadores.
Neruda não se cala. Publica, no jornal El Nacional, em Caracas (Venezuela), sua "Carta íntima para milhões de homens", denunciando as traições e os crimes de Videla. E, logo depois, no Senado, profere o famoso discurso "Eu acuso", no qual ataca a política e a pessoa do presidente. Em resposta, o governo requer à Corte Suprema a cassação do mandato de Neruda e sua prisão. Os magistrados acatam o pedido. Neruda passa, então, à clandestinidade, viajando, como fugitivo, por diversos pontos do país. Mas, enquanto foge com a ajuda de centenas de famílias pobres, escondendo-se e conseguindo sobreviver, escreve Canto Geral.
As constantes mudanças de endereço duram cerca de um ano, enquanto Videla rompe com os comunistas, expurga seus representantes do Congresso e proscreve o partido. Por fim, com o auxílio de agricultores e arrieiros, Neruda escapa pela zona austral da Cordilheira dos Andes, rumo à Argentina e, de lá, para a França.
Canto Geral é, portanto, a resposta poética de Neruda à traição de Videla e às injustiças históricas da América Latina, obra na qual ele transforma seu verso em arma de combate, denunciando os crimes do imperialismo americano e fazendo uma revisão histórica dos séculos de dominação estrangeira e, também, das lutas de resistência.
Em 1970, renuncia à sua candidatura à presidência para favorecer Allende, que vence as eleições em 4 de setembro. No ano seguinte, em março, é nomeado embaixador do Chile na França. Em outubro, a Academia Sueca o escolhe para o Prêmio Nobel de literatura.
A partir de 1971, no entanto, a saúde de Neruda se deteriora. Obrigado a sofrer várias cirurgias, falece a 23 de setembro de 1973, poucos dias depois do golpe militar que derrubou o governo de Salvador Allende.

O que acharam? Acho que muitas pessoas gostam de história e muitas não conhecem a história dos grandes poetas, é uma forma de informar e divulgar.

Bjão e um ótimo dia.
Fonte: educacao.uol.com.br/biografias/pablo-neruda.jhtm

5 comentários:



Ana Maria Braga disse...

Andreia, que aula!! Muito bom saber um pouco sobre o autor.
Aproveito para te desejar um ótimo domingo. Bjs

Solange Fernandes disse...

Andreia muito legal saber a história do autor. Linda poesia. Bjs

FRAM.. disse...

gosto muitíssimo do Pablo... que bom que aprendi um pouco mais...bjim

Roberta M. disse...

Olha, nao sabia um monte de coisas sobre ele!! Adorei, gosto muito do Neftali (???) Neruda rss, beijocasss

Liliane de Paula disse...

Em Santiago do Chile passei no museu que tem o nome dele.